terça-feira, 26 de janeiro de 2016

“NÃO É DESONESTIDADE, NÃO” - Augusto Nunes


Augusto Nunes

Augusto Nunes
Augusto Nunes

Na mais recente missa negra celebrada no Instituto Lula, com um bando de blogueiros de joelhos caprichando no papel de coroinha sabujo, Lula comunicou no meio do sermão que é ele o detentor do título de campeão brasileiro de honestidade. “Se tem uma coisa que eu me orgulho neste país é que não tem uma viva alma mais honesta do que eu”, louvou-se o pregador. “Nem dentro da Polícia Federal, nem dentro do Ministério Público, nem dentro da igreja católica, nem dentro da igreja evangélica. Pode ter igual. Mais, eu duvido”.

Uma consulta a qualquer dicionário informa que só leva a sério o palavrório de Lula gente que acharia muito justa a vitória do seu colega Marcola no concurso que elegeu o Presidiário Modelo. O verbete ensina que o adjetivo honesto só é aplicável a alguém que seja 1) honrado, probo; 2) consciencioso, sério, digno de confiança; 3) justo, escrupuloso; 4) imparcial; 5) veraz; 6) decente, decoroso, virtuoso; 7) casto, pudico, recatado. Nem Marilena Chauí ousaria enquadrar seu santo padroeiro numa das sete opções.

O ex-presidente nasceu desprovido do sentimento da honra, nunca rimou com seriedade, inspira tanta confiança quanto um hipnotizador de circo mambembe, desconfia que escrúpulo é nome de inseto, é mais parcial que torcida organizada, mente como Dilma Rousseff, é tão virtuoso quanto Rosemary Noronha e acha que decência é coisa de otário. Para o homem que liderou a execução do projeto criminoso de poder, o único pecado mortal é perder eleição. A eternidade no poder é o fim que justifica todos os meios – do furto do cofrinho da bisavó à venda da mãe em suaves prestações.

Se os dicionários berram em coro que Lula não é honesto, o vídeo acrescenta que nunca foi. Os 22 segundos iniciais reproduzem a discurseira em que o camelô de empreiteira revelou aos blogueiros estatizados que será aprovado com louvor no Juízo Final. Os 68 segundos restantes registram o momento mais assombroso da conversa ocorrida em 25 de março de 2004 entre o então presidente e um faxineiro que, dias antes, havia devolvido ao dono a sacola com 10 mil dólares que encontrara no banheiro do aeroporto de Brasília.

Graças ao exemplo de honradez, o faxineiro Francisco Basílio Cavalcante conseguiu alguns minutos de notoriedade e um encontro com Lula no Palácio do Planalto. O visitante lutava pela sobrevivência permanentemente acossado por contas atrasadas. O anfitrião já entrava sem bater no clube dos milionários. Era o chefe supremo de um partido com os cofres abastecidos por dinheiro público ou negociatas com empresários generosos. E já havia pacificado o Congresso com a farra do Mensalão, que só seria descoberta em meados de 2005.

– Você acha que tem muitos brasileiros que fariam o que você faz? – pergunta Lula de saída, com a expressão de quem contempla uma esquisitice nativa.

– Tem – responde Francisco sem titubeios. – Tive alguns amigos que me disseram para ficar com o dinheiro, mas esse é o lado desonesto.

– Mas nem é desonestidade, não – discorda o presidente. – Quem acha um dinheiro assim, sem dono, pensa em melhorar de vida. Os que têm a consciência muito forte como você são muito poucos.

Ele nunca esteve entre esses “muito poucos”. Se fosse ele o faxineiro, o dono da sacola nunca mais veria a cor do dinheiro. Lula faria com os 10 mil dólares o que fizeram com os bilhões da Petrobras os canalhas que escolheu e apadrinhou.



Até quando seremos reféns de uma Elite omissa, uma Zelite rentista e da oligarquia de políticos corruptos?



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O grande bandido a ser combatido é o ente fictício chamado Estado Brasileiro sem controle pela sociedade. Ele é o "Pai" de todos os bandidos. Os demais sujeitos, principalmente políticos, são perigosos coadjuvantes, que se reproduzem no ambiente e no modelo em vigor. Por isso precisa ser radicalmente mudada a estrutura Capimunista Rentista tupiniquim - centralizadora, cartorial, cartelizada e corrupta. Ela é a "Mãe" e matriz estrutural das sacanagens brasileiras.

Repita-se por 13 x 13: o Brasil precisa ser refundado sob uma nova matriz constitucional federalista, realmente republicana, que garanta o controle do direto do cidadão sobre a máquina estatal. Só uma inédita Intervenção Cívica Constitucional - que começa a ser debatida a partir das redes sociais - tem condições de colocar o Brasil nos eixos corretos. Se isto não acontecer, o Brasil não tem jeito: continuará aquela colônia de exploração, potencialmente rica, porém mantida artificialmente na miséria, por interesses transnacionais, pela ignorância da maioria esmagadora do povo, pela senvergonhice das Zelites e pela omissão ou fraqueza das Elites (os que deveriam liderar os processos efetivos de mudança).

O Brasil é uma Republiqueta baseada em conceitos errados e equívocos cometidos propositalmente, com fins corruptos. Enquanto o barril de petróleo despenca no mundo inteiro, por aqui nossa zelite e nossos governantes alertam que é necessário aumentar ainda mais os preços dos combustíveis para equilibrar as finanças públicas. Mesmo com estas chuvas torrenciais e os reservatórios cheios, não se desligam as termoelétricas e o preço da energia elétrica continua altíssimo.
O desemprego é avassalador e nossos governantes só apresentam novas formas de aumentar ainda mais o achaque fiscal e continuam a aterrorizar as empresas em busca de receitas para sustentar as bilionárias e inescrupulosas mordomias dos donos do poder. Agora querem arrumar garantias via FGTS para que os bancos emprestem a trabalhadores sem emprego e sem renda. Assim, aquecendo o consumo via dívidas, eles esperam ganhar algum fôlego. Pelo menos até as eleições municipais.
As prefeituras, falidas e mal administradas, não conseguem manter o nível mínimo de qualidade para o atendimento à população. A saúde no Brasil – pública e privada – está falida e sem perspectivas. A falta de segurança no Brasil está mais para um país em guerra civil do que qualquer outra coisa. Inútil analisar em outra direção. Que o digam as nossas quase 60 mil vítimas assassinatos por ano... Perdão, elas não podem dizer nada. Já morreram. Mas nós ficamos aqui como mortos-vivos, sobreviventes na agonia.
As privatizações e concessões de estradas e portos, ao invés de servir de promoção do desenvolvimento ou de solução de problemas estruturais da economia brasileira, viraram fontes de receitas para os governos. Os leilões buscam levantar dinheiro diretamente. Depois, indiretamente, os vencedores da disputa ficam obrigados, por negociatas ou pela via das gestapos fiscalizadoras, a pagar propinas para tocar os negócios. Sobem as tarifas, e socializam o pagamento da sacanagem com a sociedade.
Tudo o que as nossas zelites, nossos burocratas e nossos políticos apresentam como solução para a crise brasileira é apensas uma forma de arrecadar mais dinheiro para os cofres dos governos. Dinheiro que eles querem só serve para manter as estruturas corruptas e os privilégios corporativistas tão em foco neste momento. Mesmo com as massas desempregadas ocupando as ruas, cada vez em maior número, nossos governantes parecem não saber lidar com a gravidade da situação.
Não querem entender que a crise atual é causada por uma estrutura de estado perdulária, corrupta, ineficiente e que promove todo tipo de injustiça para justificar sua própria existência. Nos discursos vazios, insistem em mentir para a população, alegando que as crises são "conjunturais" ou "culpa de problemas mundiais". Persistem na famosa lei da tecnocracia: criar dificuldades para vender facilidades.
Os brasileiros estão cansados desse sentimento de impotência. Por mais que tentem, pacificamente, as zelites insistem em não ouvir. O pragmatismo cínico delas, no mais canalha e burro raciocínio rentista, só enxergam a manutenção das vantagens no curto prazo, custe o que custar para os outros, é claro! Os brasileiros, cidadãos-eleitores-contribuintes, novamente assistiram, neste início do ano, a toda uma fúria de aumentos em impostos, taxas, tributos, além de todo tipo de achaque fiscal possível de ser praticado.
Inconformados com a dificuldade de fazerem os desempregados contribuírem com esta farra fiscal, o Bando Central quer ressuscitar a CPMF, que atinge a todos inclusive aqueles sem emprego. Para não falar nos aposentados. Nisso a CPMF é justa: atinge a todos mesmo. Até quando a o povo brasileiro aceitará ter sua vida e da sua família maltratada por gente tão inescrupulosa?
Calma... A hora da reação nunca esteve tão próxima... Desta vez, a crise estrutural vai desandar... Conchavos oligárquicos não conseguirão conter a ira de um povo pt da vida...

Releia o artigo de domingo: Dilma, se liga na Cármem Lúcia...


Por que é importante mexer na Dívida Pública?


Quem não viu, vale refletir sobre a palestra da Maria Lucia Fattorelli.

Malvada Dilma


Recesso acabando...


Altos e baixos


Além das medidas


Reação burra



© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Janeiro de 2016.

domingo, 24 de janeiro de 2016

Dilmamente: não tem como tranquilizar o Brasil


Posted: 23 Jan 2016 02:57 AM PST

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Enquanto Lula da Silva continua jurando aos blogueiros amestrados e à Polícia Federal que nunca sabe de nada sobre coisas criminosas que acontecem à sua volta ou no entorno de amigos e aliados, no momento em que corre de risco de ser enquadrado por crime de lavagem de dinheiro com o famoso apartamento triplex do Guarujá (que ele também nega ser dele), a Presidenta Dilma Rousseff volta a dar provas de que continua mais perdida que freira em prostíbulo, completamente sem noção da realidade de crise estrutural que a cerca. Dilma aproveitou ontem um encontro do PDT (partido do coração dela, que lançará Ciro Gomes à Presidência em 2018), para fazer uma promessa politicamente impossível, em longa fala reproduzida pelo Jornal Nacional da Rede Globo, que às vezes mais parece o "diário oficial" do governo (qualquer que seja).

Com a voz rouca, indicando tensão e desgaste, Dilma proclamou: "Eu fiquei recentemente estarrecida com uma frase que eu li no relatório do Fundo Monetário Internacional. Ele diz que três fatores são muito, muito relevantes no atual cenário e explicam as dificuldades que o mundo enfrenta. Primeiro é a diminuição do crescimento da China, o segundo é a instabilidade no Oriente Médio. E o terceiro era a continuidade da situação crítica no Brasil. O primeiro fator que ele atribuía era a instabilidade política. A duração da instabilidade política. E o segundo fator que ele atribuía era o fato das investigações contra a Petrobras terem um prazo de duração maior e mais profundo do que eles esperavam. Por que que eu estou falando isso pra vocês? Porque eu tenho certeza que nós vamos estabilizar politicamente o país. Nós vamos assegurar ao país a tranquilidade pra voltar a crescer”.

Fala sério, Dilma, você é uma mera refém! Uma brizolista no cativeiro da petelândia! Tudo mal que tentar enganar o povão faz parte do receituário oficial de qualquer governante incompetente. Só não dá para enganar a si mesma, prezada discípula de Leonel Brizola, que deve estar dando 13 voltas, todo dia, no túmulo, por causa de você. A tal "tranquilidade" que a Presidenta promete está longe de se tornar real e viável com a sequência prevista do samba-da-economista-doida programada para os próximos meses. A recente confusão gerada pela submissão do presidente do Banco Central do Brasil ao Bando Central do Brasil escancarou que é uma questão em aberto o curso da política monetária no Brasil. Dilma tende a seguir com seu falido discurso nacional-desenvolvimentista, enquanto nem chega perto de mexer na gastança sem limites ou controles da máquina estatal Capimunista Rentista Corrupta - a causa real de todas as crises na economia combalida e subdesenvolvida do Brasil.

Não adiantam palavras bonitas reproduzidas pela Rede Globo para tentar manter o ânimo do setor produtivo, em época de recessão. O mercado não avalia que venha coisa boa no dia 28 de janeiro, data da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o Conselhão. Dilma deve encerrar o "encontrão", que começa às 14h 30min, no Palácio do Planalto. Dilma implora que os convidados apresentem propostas estratégicas para enfrentar a crise. O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, ameaça divulgar duas ideias mágicas. Usar os bancos públicos para abrir linhas de crédito para a construção civil e pequenas/médias empresas (o que soa como deboche inviável com os juros altíssimos) e liberar o uso da grana do FGTS como garantia para os empréstimos supostamente produtivos (na verdade focados em viabilizar algum consumo que alivie a pressão política do comércio e da indústria contra o desgoverno).

Em contraponto a mais uma mentira e promessa irrealizável de Dilma, vale analisar o conteúdo de uma recente entrevista à revista Época do professor de Harvard Roberto Mangabeira Unger. Ex-ministro de Assuntos Estratégicos de Dilma Rousseff e um ideólogo e idealista filiado ao PDT, prontinho para embarcar em mais uma aventura presidencial do amigo Ciro Gomes, Mangabeira decreta o esgotamento do ciclo "nacional-consumista" lançado na Era Luiz Inácio Lula da Silva e mete o pau no rentismo e no fiscalismo financista:

"Estamos vindo de um período histórico em que as bases de desenvolvimento do Brasil foram a popularização do consumo de um lado – uma espécie de nacional-¬consumismo – e a produção e exportação de commodities, de produtos primários pouco transformados, de outro lado.  A agropecuária e a mineração pagaram a conta do consumo. Nesse período do nacional-consumismo, construímos no Brasil uma espécie de condomínio de rentismos. A massa pobre embaixo recebe o dinheiro das transferências sociais – essas, sim, justificadas, porque resgatam as pessoas da pobreza extrema. No meio, as corporações da classe média recebem suas prebendas. Em cima, os ricaços são beneficiários dos juros da dívida pública e do crédito subsidiado dos bancos públicos. E todo mundo fica satisfeito, aplacado, cooptado. As circunstâncias do mundo viraram e inviabilizaram a continuação desse modelo. Nós precisamos agora de outra estratégia".

Mangabeira Unger indica um caminho estratégico político-econômico, a partir da crítica:

"Essa lógica de cooptação, paga pela riqueza natural, mata o país e não faz o essencial, que é providenciar instrumentos para o dinamismo brasileiro. Agora, precisamos de uma lógica de empoderamento. O grande atributo do nosso país é sua extraordinária resiliência, uma vitalidade assombrosa. E nossa tragédia histórica é negar instrumentos à maioria dos brasileiros para transformar essa vitalidade em ação construtiva. Qual é o ator mais importante no Brasil hoje? É uma pequena burguesia empreendedora mestiça que está surgindo no Brasil profundo. Andei o país todo, Estado por Estado, e essa pequena burguesia empreendedora, que nós chamamos de emergentes, é apenas a linha de frente. Atrás dela, vem uma multidão de trabalhadores ainda pobres, porém já convertidos a uma cultura de autoajuda e iniciativa. Chamamos de batalhadores, porque são pessoas que trabalham dia e noite. Às vezes, têm dois ou três empregos. Não acreditam em política e em partidos políticos, não têm instrumento político. Mas eles, os emergentes, já estão no comando do imaginário popular e são a vanguarda do povo brasileiro. O projeto que eu estou defendendo é um projeto para eles, baseado em oportunidades econômicas e capacitações educacionais e que não pode ser operado dentro dos limites de nosso nacional-consumismo. Exige algo diferente: a democratização do lado da oferta, e não apenas da demanda. Uma grande diferença entre democratizar a oferta e democratizar a demanda é que a democratização da demanda se pode fazer só com dinheiro, enquanto a democratização da oferta exige reorganização, inovação institucional".

Mangabeira indica qual seria o contraponto correto ao mero rentismo:

"O objetivo não é ganhar a confiança financeira, submeter a definição de nosso rumo aos interesses e aos preconceitos do rentismo financeiro. O objetivo é o oposto. O objetivo é assegurar que o governo e o país não dependam da confiança financeira para avançar. E a realização desse objetivo é mais importante que a gastança pública como meio de recuperar a economia, esse keynesianismo vulgar que praticamos no Brasil. O segundo princípio é que o realismo fiscal não se pode efetivar apenas focando os 10% do Orçamento que são gastos discricionários. Esse é o debate que temos tido no Brasil. Aí não há ajuste. O ajuste só pode ser realizado se tratarmos dos mais de 90% do Orçamento do Estado que são gastos obrigatórios".

Mangabeira Unger chama a atenção sobre como se deve resolver o problema fiscal do Estado, ainda que não esponha, claramente, como deveria ocorrer a reforma do sistema atual de 92 tributos, taxas e contribuições (sem contar a CPMF que Dilma deseja criar):

"A repactuação do condomínio de rentismos implica sacrifício para o país. Mas o sacrifício só será legitimado e, portanto, só será aceito e executado se ele for visto como a contraparte de um projeto de democratização de oportunidades. O país não aceitará o sacrifício em troca de nada, só porque é do agrado dos bancos ou do rentismo financeiro disciplinar fiscalmente o Estado. O acerto fiscal tem de ser entendido no bojo de um projeto maior, que interesse à maioria. Na falta disso, esse acerto fiscal necessário será desmoralizado e diminuído como de fato vem acontecendo".

Por fim, Mangabeira Unger decreta o esgotamento total do modelo implantado pelo PSDB e seguido pelo PT, na base da radicalização da incompetência de gestão e da roubalheira sem limites:

"A tendência toda do PT e do ex-presidente Lula (incluindo o PSDB) é, no máximo, buscar o meio-termo. Um ajuste que não implique uma descontinuidade da trajetória que seguiram até agora. Não me parece que eles estejam convencidos da necessidade de passar de maneira decisiva da distribuição de recursos para a distribuição de oportunidades".

Por fim, outras reflexões importantes do Mangabeira Unger merecem reflexão:

"Vejo que a causa produtivista, os interesses do trabalho e da produção, e os emergentes como sua base social mais importante estão há muito tempo órfãos de um agente político. A crise múltipla que vivemos é uma oportunidade extraordinária para o avanço de uma alternativa. O Brasil precisa de outro rumo".

Eis o nosso maior problema brasileiro, que muito atrapalha o essencial do que propõe o professor Mangabeira: a dificuldade em definir os rumos para o País de forma aberta, livre e democrática, com base na segurança do Direito, o império da lei, através do pleno exercício do debate exaustivo, levando mais em conta a razão republicana e o interesse público, em vez de simplesmente ficar refém da mera torcida ideológica.

A insatisfação é gigantesca e generalizada. Quase todos, exceto os que mamam na teta estatal, querem mudanças. O defeito é que, em raras situações, se consegue identificar, propor e priorizar o que precisa ser mudado. Na maioria dos casos, em vez de gerar propostas orgânicas, nas redes sociais, gera muito mais bate-boca, radicalismos infantis, preconceitos absurdos e extremismos que beiram o fascismo escroto - que só contribuem para deixar a situação mais desorganizada e violenta do que está (ou sempre esteve) na ditadura Capimunista Rentista Corrupta do Brasil.

Releia o artigo: Falidos e Viciados no Brasil Capimunista


Inocência refutada

O Historiador Carlos I. S. Azambuja refuta a recente declaração de Dilma Rousseff: "Nunca tive acusação sobre uso indevido de dinheiro público"...

Azamba detona a Dilminha, escancarando o passado dela na luta armada para implantar o comunismo no Brasil:

"Mentira, Dilma! Quando militante da VAR-PALMARES você esteve na Casa de Câmbio que até hoje funciona no térreo do Hotel Copacabana Palace trocando dólares roubados do Cofre do Ademar. Esse era dinheiro público, pois fora roubado da administração de São Paulo pelo então governador Ademar de Barros".

Subidinhas inflacionárias


Direito e Justiça em Foco

Ana Paula Silva Bueno é a convidada do desembargador Laércio Laurelli no programa "Direito e Justiça em Foco", no domingo, às 22 horas, na rede Gospel


Dilma e Lula fora da jogada


Apertamento de Lula


É coisa nossa?


Devolvendo...


Caridade milionária




© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Janeiro de 2016.

ONDE ESTÁ A HONESTIDADE? - Carlos Brickmann


Carlos Brickmann
Carlos Brickmann

A Coluna de Carlos Brickmann

.

Só política, só bandidagem, só ladroeira. Parece que todas as páginas dos jornais foram destinadas ao noticiário do crime – ora é crime a mão armada, ora é crime por propina dada, ora é crime de verba desviada, ora é crime cometido por amigos do peito, ao lado dele, e ele não sabia de nada. Nada como um assunto mais leve – música, por exemplo. Um bom disco de Noel – ele compôs (em parceria com Francisco Alves), ele mesmo canta (https://youtu.be/5F6gfazcwAc). Noel Rosa, lembremos, era o Chico Buarque da época – uma quase unanimidade.
O samba é um clássico: “Onde está a honestidade?” Que bela letra! “Você tem palacete reluzente/ Tem joias e criados à vontade/ Sem ter nenhuma herança nem parente/ Só anda de automóvel na cidade/ E o povo já pergunta com maldade/ Onde está a honestidade?/ Onde está a honestidade?”
Mais: “O seu dinheiro nasce de repente/ E embora não se saiba se é verdade/ Você acha nas ruas diariamente/ Anéis, dinheiro e até felicidade/ E o povo já pergunta com maldade/ Onde está a honestidade?/ Onde está a honestidade?”
Não, nada que se refira à disputa para ver quem é a viva alma mais honesta do país. É um samba antigo, gravado em 1934. Nada a ver, como se nota (nota? Evitemos o duplo sentido: “como se percebe”, que tal?), com pixulecos, mochilas e malinhas com alta capacidade de carga, até R$ 500 mil cada uma (na época, a moeda nem era o real: era ainda o mil-réis). Tudo bem, sempre alguém vai achar que o velho samba, tão eterno, se refere a fatos atuais.
Até pode parecer, né?

Noel, o poeta de sempre
Noel vale mais lembranças. Veja, de “Fita Amarela”, este verso: “Se existe alma, se há outra encarnação/ eu queria que a mulata sapateasse no meu caixão”. 
Ou este, de “Último Desejo”, que evoca a virtude do silêncio, do calar e não lembrar, em certas situações: “Perto de você me calo, tudo penso e nada falo”.



Lula e o Japonês
No encontro com jornalistas amigos, na quarta, Lula disse que o Governo petista “criou mecanismos para que nada fosse jogado em baixo do tapete”. Esta posição não coincide com a da Polícia Federal. No fim do ano, uma circular na Intranet da Federal informou que não havia verba nem para combustível. Houve cortes de luz, por atraso no pagamento. O repórter Cláudio Tognolli, sempre preciso (https://br.noticias.yahoo.com/blogs/claudio-tognolli/?nf=1), noticia há meses os problemas da PF com o Governo.
Agora a coisa explodiu: na quinta, as quatro maiores associações da PF se reuniram (fato inédito) e decidiram agir. Luís Boudens, presidente eleito da Federação Nacional dos Policiais Federais, informa que “os delegados pensam em entregar seus cargos de confiança”.
Em quem acreditar: no ex-presidente Lula ou nos companheiros do Japonês?



Os pixulecos paulistas
Em São Paulo quem está na ofensiva é a Polícia Civil, com apoio do Ministério Público Estadual: três dos interrogados na Operação Alba Branca, que investiga a compra de alimentos para a merenda, acusaram o presidente da Assembleia, Fernando Capez, PSDB, e um ex-chefe de gabinete da Casa Civil de Alckmin, Luiz Roberto “Moita” dos Santos, de cobrar propinas de 25%.
Ambos rejeitam a acusação. Mas a investigação continua. A propina, segundo os acusadores, era paga em dinheiro, em postos de combustível à beira das estradas.



Chuchus falantes
Por falar em Governo paulista, tucanaram as bombas de gás lacrimogêneo e as balas de borracha. No boletim sobre a manifestação do Movimento Passe Livre, na quinta, a Secretaria de Segurança Pública de Geraldo Alckmin diz: “(…) os manifestantes tentaram mais uma vez furar o bloqueio (…). A PM então dispersou o ato. Foi necessário o uso de munição química e tiros de elastômero”.



Guerrilha urbana…
A propósito, qual o objetivo do Movimento Passe Livre, que se declara favorável à gratuidade do transporte urbano? O MPL, com forte participação do PCB, Partido Comunista Brasileiro, declarou seu objetivo com as sucessivas manifestações em horários de pico no trânsito: “É provocar as estruturas do capitalismo!, diz Vitor dos Santos Quintiliano, um dos porta-vozes do grupo. “A gente parte muito da linha de que uma manifestação que trava a circulação da cidade trava a circulação de mercadoria. A gente provoca justamente as pessoas que se dão bem com nosso sufoco, essa corja de empresários, poucos e muito ricos”.



…e errada
Talvez Quintiliano não saiba, mas mercadoria, numa cidade grande, é transportada fora dos horários de pico de trânsito. Nos horários em que o MPL trava o trânsito, quem fica bloqueado é quem quer voltar para casa depois do trabalho.

Defesa nacional
Na quarta, às 11 da manhã, no comando do 8º Distrito Naval, em São Paulo, tomam posse a Diretoria e o Conselho Fiscal da Associação Brasileira da Indústria de Material de Defesa, Abimde. O novo presidente será Carlos Frederico Queiroz de Aguiar, com o objetivo de fortalecer o relacionamento das indústrias de Defesa com o Governo e buscar a conquista de novos mercados externos.

Governo alemão aos refugiados: "não toquem os traseiros das mulheres"


24/01/16 Posted by Coisas Judaicas
Governo alemão aos refugiados: "não toquem os traseiros das mulheres"
Cartazes indicando que os homens não podem assediar mulheres,
publicados pelo governo alemão em Munique
Imagem: The Blaze
Governo alemão espalha cartazes pedindo que refugiados "não toquem os traseiros das mulheres".

Após a onda de ataques sexuais registrada na Alemanha, cometida por refugiados originários de países de maioria muçulmana conflagrados pelas atividades do Estado Islâmico, a administração das piscinas públicas da cidade de Munique decidiu por afixar cartazes em suas instalações pedindo que os asilados "não toquem os traseiros das mulheres", e que "respeitem todas as cidadãs, de forma independente do modo de se vestir escolhido pela potencial vítima". 

O portal de notícias The Blaze, que cobriu de forma abrangente a sucessão de crimes testemunhada desde as festividades de final de ano, divulgou ontem, dia 12, a adoção dos cartazes. 


Os idiomas nos quais os cartazes estão redigidos são o francês, o árabe, o afegão e o somali. Os alertas ilustram, entre outras cenas, uma situação na qual a mão de um homem é estendida em direção às costas de uma mulher, que usa biquíni. Um sinal de "proibido" indica que molestar mulheres frequentadoras da piscina é uma atitude que não será aceita. Os cartazes também mostram mulheres vestidas em dois tipos de roupas de banho ocidentais e em trajes permitidos pela religião maometana, com dizeres pedindo que os refugiados "respeitem as cidadãs, não importando qual roupa estejam vestindo". A decisão de espalhar os avisos não foi adotada pela primeira vez em 2016 - ela já teria sido tomada em situação similar, dois anos atrás, e foi aplicada novamente em decorrência da atual crise.

O site jornalístico alemão The Local, que também discutiu a medida, informa que a cidade de Bornheim - que fica a 17 quilômetros de Colônia, onde ocorreram mais de 500 crimes perpetrados por gangues de indivíduos vindos do Oriente Médio durante o ano novo - emitiu comunicado a respeito de "restrições à entrada de refugiados maiores de 18 anos nas piscinas públicas, após seis mulheres realizarem queixas de comportamento sexualmente ofensivo por parte dos imigrantes, nestes locais". 

A medida, ainda conforme o veículo de comunicação alemão, tem como objetivo "deixar claro para esses homens que os direitos das mulheres são invioláveis, na Alemanha", nas palavras do porta-voz oficial da cidade, Rainer Schumann. As autoridades locais afirmam que a proibição à entrada dos refugiados ficará em vigor até que o público "pegue a mensagem", segundo a matéria publicada no The Blaze.

Bettina Hess, assessora de imprensa da administração da cidade de Munique, lamenta que os cartazes tenham que ser implantados, apesar de o governo local não ter chegado às restrições mais severas postas em prática em Bornheim. Para a porta-voz, "infelizmente, a rega básica do respeito às mulheres - e não importa qual roupa elas estejam vestindo - não é respeitada. Essa é a razão de adotar uma mensagem tão explícita".

A onda de ataques sexuais contra mulheres afetou ao menos mais quatro cidades, além de Colônia - incluindo Hamburgo, Frankfurt, Stuttgart e Bielefeld. Outros cinco países também identificaram ocorrências similares, no mesmo período e cometidas por grupos idênticos aos responsáveis pelos transtornos na Alemanha. Ao menos um país do Leste Europeu reforçou a retórica contrária à imigração de muçulmanos para a Europa - a o governo eslovaco já tinha sinalizado a possibilidade de permitir apenas o ingresso de refugiados de origêm cristã em seu território.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

ÚLTIMO REDUTO DOS HIPÓCRITAS E DOS CAFAGESTES - A Coluna de Mauro Pereira


Mauro Pereira
Mauro Pereira



Ainda que repudiada por boa parte da sociedade brasileira, a reação irresponsável e arrogante do PT, e da CUT (braço pelego do sindicalismo no governo federal, de forma mais descarada na administração do ex-presidente Lula), arrogando para si a condição surrealista de instâncias definitivas do ordenamento jurídico brasileiro arvorando-se em inquisidores das decisões da Suprema Corte brasileira sempre que ela manda para trás das grades algum figurão do partido, mostra os meandros sórdidos de mais uma conspiração petista e revela o grau de periculosidade à democracia de uma soma de aventureiros que se instalou nos saguões protetores do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto, e, de lá, manipula o submundo da política de acordo com seus desejos e suas necessidades.

Se nos dedicarmos a uma leitura mais aprofundada às inúmeras notas publicadas contestando de forma arrogante e inconsequente o veredito do STF condenando companheiros mensaleiros e prendendo comparsas do petrolão, agravadas pelos ataques asquerosamente racistas carregados do mais refinado ódio ao então presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, poderemos, também, vislumbrar nas entrelinhas uma advertência sombria chamando a atenção para a possibilidade de uma ruptura marcada por dias de tensão, cujo desenlace poderá desembocar em irrecuperável retrocesso democrático.
Sem cair na ingenuidade de subestimar a irresponsabilidade do petismo liderado por Lula, o destempero dos representantes das duas agremiações evidencia nuances da fragmentação de um partido político que teve a audácia de querer implantar um governo pautado somente por seus valores absolutos, seus princípios inquestionáveis e sua verdade definitiva. Presunçosos, duvidaram da capacidade de indignar-se do brasileiro e, por isso, se veem, agora, presos na própria ratoeira e se negam a aceitar o fato de que a maioria da população descobriu a farsa em andamento e, convencida que seu conceito de valores contrapõe-se aos contemplados na filosofia petista, não está disposta a pagar o preço demasiadamente alto dessa aventura doidivanas. Reféns do desespero, procuram de todas as maneiras manipular a realidade crua que teima em mostrar a verdade absoluta evidenciando que entre os seus princípios o maior é não ter nenhum e que sua verdade vã se decompõe fragorosamente ante a grandeza de sua mentira indisfarçável.
A ascensão do Partido dos Trabalhadores, entretanto, não se fez da noite para o dia, nem, menos ainda, foi um fortuito incidente político. Ilustres arquitetos do autoritarismo se reuniram em torno do mesmo ideal e elaboraram o mais ambicioso projeto de dominação. A saga petista no encalço à perenização do seu governo remonta há mais de três décadas.
Premido pela volúpia de galgar o comando, entoou por anos o mantra malandro do “povo no poder” sob o comando de um operário.  Cansada da mesmice que predominava o cenário político pós-ditadura, a sociedade se deixou encantar com a mensagem muito bem articulada de um partido que, liderado por um ex-trabalhador, se intitulava o emissário do Brasil renovado, senhor de todas as virtudes, arauto da magnificência administrativa e cidadela indevassável da retidão. Derradeira oportunidade de redenção de todos os brasileiros.
Traída, no entanto, não demorou muito para descobrir que, forjada na têmpera podre da falsidade, a decantada probidade imaculada dos petistas não resistiu a mais do que dois anos à frente do governo. Os rastros deixados pelo dinheiro sujo derrubou a máscara que escondia a verdadeira face de democratas de araque e deu visibilidade a ação devastadora da mais sórdida canalha que se instalara nos porões da politicalha brasileira. Dos administradores formidáveis noticiava-se como única realização oriunda de sua lavra distorcida um dos maiores espetáculos de corrupção escrito, dirigido e protagonizado pela alta cúpula petista que ficaria eternizado como  “o mensalão do PT”.  Inconformados com a prisão dos “heróis do povo petista”, decidiram mostrar àqueles que ousaram desafiá-los quem estava no comando elaborando sofisticado plano de malversação do dinheiro público batizado de Petrolão, insanidade que por pouco não fere de morte uma das mais sólidas empresas brasileiras, cuja magnitude remeteu  o Mensalão ao juizado de pequenas causas. Encerrava-se ali o discurso de um partido que menosprezara sua real capacidade de corromper-se.
Embora o escândalo do Petrolão já seja tratado pela justiça como o maior de todos, foi a partir do episódio do Mensalão que a mácula da desonra incorporou-se  à sua história para sempre. Por uma questão de sobrevivência, o partido estrelado passou a experimentar um processo célere de degeneração ideológica e a debacle evidente serviu de justificativa para que seus dirigentes intensificassem uma campanha avassaladora que tinha como objetivo a dominação absoluta. Para atingir esse fim, os meios, liberados, encontraram na receita da promiscuidade o fermento mais indicado para fazer crescer a massa indigesta. Sem o menor trauma de consciência, cercaram-se de inimigos viscerais para inaugurar a forma mais abjeta de amizade, trouxeram para debaixo de suas asas parte significativa da imprensa e fizeram da fome seu maior trunfo eleitoral. Pilantrópicos, tomaram para si a tutela de vários milhões de miseráveis e jamais demonstram a menor iniciativa em alforriá-los. Em nome da dignidade surrupiaram a cidadania. Dispostos a percorrer as últimas instâncias da inconsequência desbravaram os caminhos da corrupção como jamais ninguém ousara.
Num repente, encantaram-se com a biografia de José Sarney e a partir do ano da Graça de 2005, o consagraram como um dos políticos mais respeitáveis do país. Este, por sua vez, tocado pela deferência fez do Maranhão uma extensão do palanque petista e do Senado, que presidia, reduto dos interesses do governo federal. Abriram mão do caráter que por ventura algum dia tiveram e não demonstraram o menor constrangimento ao rastejarem publicamente implorando o apoio de Paulo Maluf, protagonizando uma das cenas mais indecentes da história recente da política nacional. Fotos que, confesso, me fizeram vítima do constrangimento alheio, registraram para a posteridade o abraço da infâmia. Embora os dois agentes daquele cenário improvável e desaconselhável aos fracos de estômago tentassem deixar transparecer algum traço de naturalidade, o sorriso amarelado pela promiscuidade e o caloroso cumprimento selado sob sórdida inspiração oportunista definiram a moral daquela história insólita:  uma mão suja lava a outra.
Unidos pelo mesmo fervor na defesa intransigente da coisa pública que sempre foi o ponto alto de suas irretocáveis carreiras políticas, e, naturalmente aliançados pela convergência ideológica que sempre os caracterizou, Lula, Sarney e Maluf percorrem, abraçados com a felicidade, os caminhos da indigência moral cujas veredas pantanosas inexoravelmente os remeterá à vala rasa da canalhice, último reduto reservado aos hipócritas e aos cafajestes.